sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Pra não dizer que não falei quem somos

Sabe, acordei de madrugada (se é que eu dormi) e me perguntei o que somos. Quanto a isso, nada de diferente, passo o dia a viver para a noite pensar o que é a vida. Sei que não sou o único, seria pretensioso demais afirmar que somente eu esqueço que viver é bem melhor do que saber para que viver. E o que é viver? Essa pergunta também não é inédita, assim como sua resposta nunca é satisfatória. Pode não ser pra você, mas viver é a eterna busca pela realização dos nossos sonhos e, quando paramos de buscá-los, voltamos a sonhar, para ter o que buscar.
Será que somos tristeza? Será que somos alegria? Será que somos desejo? Simples e pura fantasia? Sabe, às vezes somos nada, às vezes tudo, às vezes um pouco de cada... Às vezes somos algo que somente às vezes somos, mas, sem saber, somos sempre a mesma coisa. Então somos eternamente iguais? Nem eternos, nem iguais, quem sabe, nem somos... Talvez sejamos aquilo que temos que ser para realizar nossos sonhos, as modificações necessárias para a conquista do que desejamos. Sendo assim, somos um ímã que atrái somente o que nos convém, integrando o adquirido ao nosso ser. Por isso, somos seres tão paradoxais, tão complexos, tão fingidos, tão interessantes.

Existe algo que deixei passar, de fundamental importância para entendermo-nos: antes de adquirirmos algo, necessariamente teríamos que ser algo, que se chama essência. Ela é como um filtro, que determina aquilo que temos de sugar para complementá-la, baseando-se em critérios que correspondem a ela mesma. Portanto, é a nossa essência que traça o caminho para a conquista do que somos, ela determina o que sonhamos, o que queremos, o que devemos. Ah! O que é a essência? Ela bate acelerada no meu peito, me faz agir de um modo inesperado, me faz amar o que não devo, me faz pensar no que somos, me faz até escrever textos sobre aquilo que não faço a menor idéia do que seja, mas que, mesmo assim, me faz ser aquilo que quero ser: meus sonhos...

5 comentários:

I disse...

pq parou?

Freddy Costa disse...

Calma que eu volto...
:)

Alana disse...

além :)

Anônimo disse...

Bem interessante!
Expressar quetões inquietante, falar da essência como a impulsionadora de tudo aquilo q és e tudo q fazes....

Mas se a essência te leva a amar, apenas, ame e não pense, e nem questione se é devido, pq o amor em sua essência é devido por si e basta-se por ser essêcial e pleno.

Lici in the sky with diamonds disse...

'Sendo assim, somos um ímã que atrái somente o que nos convém, integrando o adquirido ao nosso ser.' tão verdade!

'Ela é como um filtro, que determina aquilo que temos de sugar para complementá-la, baseando-se em critérios que correspondem a ela mesma.' e obrigada por me dizer pra ler este texto. agora eu vou dormir bem aliviada pq outra pessoa no mundo entende o que eu entendo e tb não acha bobagem. Agora eu já não preciso mais fingir que não penso assim. E o que mais me conforta é saber que eu procuro por algo com o qual me identifico. É por isso que eu qro tanto o bem que tenho evitando tanto ultimamente. Evitado por medo, mas é bem desejado por ser parecido com o que eu sou. Que alívio!!!! :*